Oração

Deus responde “sim” a toda oração feita a Ele

(Mt.21:22, Mc.11:24, Jo.11:22, 14:13s, 15:16, 16:23)
(1)todo pedido objetiva a realização existencial e espiritual
(2)normalmente pede-se meios querendo que tragam estas realizações
(3)pede-se sem saber os resultados dos meios que se tem pedido, Tg.4:3
(4)mas o Espírito Santo intercede, informa o que realmente queremos, Rm.8:26
(5)a realização existencial e espiritual é a vida abundante que Jesus dá, Jo.10:10
(6)pouquíssimas vezes, os meios, que se pede, são os meios que Deus dá
(7)os meios que Ele dá são melhores para se chegar à realização que se quer
.
.
.
Esboço 2
Sete Entendimentos bíblicos a respeito de oração (Mt.6:5-14)
(1)deve ser com humildade, sem exibições pessoais –v5s
(2)sem artifícios para pressionar Deus a atender –v7
(3)crendo que Ele já sabe como atender a tudo –v8
(4)se mostrando submisso à Vontade dEle –v9s
(5)se mostrando dependente do Seu senhorio –v11s
(6)se mostrando confiante da Sua proteção –v12
(7)querendo agradá-Lo a qualquer custo –v13s
.
.
.
Esboço 3
Sete Demonstrações falhas na Oração
(1)insistência, mostra que se crê num Deus insensível
(2)repetições, mostra que se crê num Deus esquecido
(3)apelativos, mostra que se crê num Deus injusto
(4)pedir soluções, mostra que se crê num Deus sem iniciativa
(5)muitos orando, mostra que se crê num Deus manobrável
(6)imperativos, mostra que se crê num Deus sem soberania
(7)lamentos, mostra que se crê num Deus sem onisciência .
.
.
.
Esboço 4
Sete Aspectos sobre Oração
(1)pode ser em qualquer posição, qualquer circunstância e por qualquer pessoa
(2)pode ser petição, gratidão, intercessão, confissão e adoração
(3)pode ser formal, informal e comunhão-pessoal durante todo o tempo
(4)é confiar que Deus já sabe do motivo, já tem uma resposta e tudo sob controle
(5)é falar com Deus, agir para Ele, confiar nEle e descansar com Ele
(6)é concentrar nEle, testemunhar dEle, amar por Ele e servir a Ele
(7)é não exagerar, não exigir, não exibir, não murmurar, não ofender e não condenar
.
.
.
Esboço 5
Fé, o que é e o que não é
(1)não é saber jeitos de pressionar Deus
(2)não é dizer a Deus o que quer, como quer, quando e onde
(3)não é conseguir o que quer
(4)não é demonstrar Deus a seu dispor
(5)é descansar de verdade quanto a Deus, o que Ele pode e quer
(6)é obedecer, como fez Abraão em relação à entrega do filho
(7)é se entregar completo como fez Zaqueu com o que era e o que tinha
.
.
.
Motivos para menos petições em nossas orações

(1)não sabemos o que realmente é melhor para nós ou a glória dEle
(2)demonstra falta de confiança nEle e em suas promessas
(3)Ele não é esquecido, insensível e cheio de caprichos infantis
(4)Ele já tem um plano muito melhor que o nosso melhor plano, para nossa vida
(5)Ele, melhor que ninguém, sabe o que somos, passamos e sofremos
(6)somos servos, nossas vidas estão a serviço dEle e do Seu Reino
(7)tudo que Ele permite que passemos tem propósitos definidos por Ele

.
.
.
Atitudes que precisamos mudar em nossas orações

(confiando que Deus tem total domínio de tudo)
(1)falarmos mais: seja feita a Tua vontade, e não o que pedimos
(2)pedirmos que “continue” nos abençoando e não que nos abençoe
(3)concordarmos que não sabemos o que é melhor para nós e os outros
(4)não confundirmos; oramos pelos fins e não pelos meios de irmos a ele
(5)entendermos o quanto somos indignos de ser ouvidos e atendidos
(6)sabermos que nossos pedidos devem visar a glória do Senhor
(7)compreendermos que Deus nos responde para o bem de muitos